top of page

Aumentam os processos por direitos autorais contra OpenAI


Às vésperas do lançamento da versão 5 do Chat GPT, aumentam os processos legais contra a empresa dirigida por Sam Altman. O conglomerado The New York Times, junto com outros 8 meios de comunicação americanos, processou a Open AI nos tribunais de Manhattan, argumentando que “milhões de artigos publicados por esses jornais foram usados para treinar chatbots automáticos que agora competem com os meios de comunicação”.


Isso se soma ao processo apresentado pela atriz Scarlett Johansson, que alega que sua voz foi usada sem seu consentimento, e pelos roteiristas da série Game of Thrones contra a empresa, que em setembro de 2023 reclamaram na Justiça que seus textos foram usados violando a lei de direitos autorais.


Os 8 meios de comunicação americanos que processaram a OpenAI, criadora do ChatGPT, e a Microsoft, acusam essas empresas de tecnologia de terem “roubado milhões” de artigos jornalísticos protegidos por direitos autorais sem autorização e sem pagamento, para treinar seus chatbots de inteligência artificial.


Entre os demandantes estão o New York Times, o New York Daily News, o Chicago Tribune e o Denver Post, que apresentaram a ação em um tribunal federal de Manhattan.


Uso justo e licenças

“Gastamos bilhões de dólares coletando informações e comunicando notícias em nossas publicações, e não podemos permitir que a OpenAI e a Microsoft expandam a estratégia das grandes empresas de tecnologia para roubar nosso trabalho e aumentar seus próprios negócios às nossas custas”, afirmou Frank Pine, CEO da MediaNews Group e da Tribune Publishing, em uma declaração por escrito.



A Microsoft se recusou a comentar, enquanto a OpenAI emitiu um comunicado assegurando que cuida de apoiar as organizações de notícias. Ambas as empresas também enfrentam outro conjunto de processos em um tribunal federal de São Francisco.


As empresas de tecnologia alegaram que a captura de grandes quantidades de conteúdo acessível publicamente na internet para treinar seus sistemas de IA está protegida pela doutrina de “uso justo” da lei de direitos autorais dos EUA.


A controvérsia com Scarlett Johansson

No início de maio, a OpenAI revelou uma nova interface de conversação para o ChatGPT com uma voz sintética expressiva surpreendentemente semelhante à da assistente de IA interpretada por Scarlett Johansson no filme de ficção científica Ela, mas poucos dias depois a desativou de repente.


No dia seguinte à desativação, Johansson emitiu um comunicado afirmando ter forçado a OpenAI a desistir, depois que seus advogados exigiram que a empresa esclarecesse como a nova voz foi criada.


Segundo a declaração de Johansson, o CEO da OpenAI, Sam Altman, pediu-lhe em setembro de 2023 para fornecer a nova voz do ChatGPT, mas ela recusou. O que surpreendeu a atriz foi quando a empresa fez uma demonstração de uma nova voz para o ChatGPT que, em sua opinião, soava como a dela.


Game of Thrones e crises internas

O conflito com os conglomerados de mídia e Scarlett Johansson se soma às batalhas já existentes da OpenAI com artistas, escritores e outros criativos. A empresa já está defendendo uma série de processos nos quais se alega que usou indevidamente conteúdos protegidos por direitos autorais para treinar seus algoritmos.


Os escritores e roteiristas americanos George R.R. Martin e John Grisham processaram a empresa por trás do software de inteligência artificial (IA) ChatGPT, argumentando que “violou seus direitos autorais para treinar o sistema”. Martin é famoso por sua série As Crônicas de Gelo e Fogo, que depois foi adaptada para a televisão com o nome Game of Thrones.



Enquanto os processos se multiplicam, o cientista-chefe da empresa, Ilya Sutskever, e Jan Leike, responsáveis por liderar uma equipe dedicada à segurança da inteligência artificial na OpenAI, demitiram-se em meados de maio.


Ambas as renúncias acenderam o sinal de alerta e geraram preocupação quanto ao compromisso da OpenAI em garantir que a IA não destrua o mundo.


Os processos apresentados contra a OpenAI e a Microsoft refletem um conflito crescente entre as empresas de tecnologia e os criadores de conteúdo sobre o uso de material protegido por direitos autorais para treinar modelos de inteligência artificial.


À medida que a tecnologia avança e se torna mais onipresente, é provável que essas disputas legais se intensifiquem, definindo o futuro dos direitos autorais na era digital.

תגובות


bottom of page