top of page

Prêmios Goya: Forte Apoio ao INCAA e à Cultura Argentina


La Academia de Artes e Ciências Cinematográficas da Espanha apresentou os Prêmios Goya de 2024, e nesta 38ª edição do reconhecimento prestigioso dos melhores filmes, diretores, atores e atrizes do Cinema Ibero-americano, houve uma forte declaração de várias personalidades em apoio ao Instituto Nacional de Cinema e Artes Audiovisuais (INCAA) e em defesa da Cultura Argentina.


Em uma cerimônia realizada no Auditório da Feria de Valladolid, A Sociedade da Neve, um filme sobre a tragédia da equipe de rugby uruguaia nas montanhas dos Andes em 1972, ganhou 12 prêmios, incluindo o prêmio principal de Melhor Filme.


Além disso, Juan Antonio Bayona ganhou como Melhor Diretor, e prêmios de Melhor Música Original, Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia e Melhor Edição, entre outros, foram para uma produção composta principalmente por uma equipe de argentinos e uruguaios.


A Sociedade da Neve (2023), dirigido por J. A. Bayona
Apoiantes da Argentina

Em um contexto de desfinanciamento pelo Estado argentino, impulsionado por medidas do governo de Javier Milei, que se implementadas afetariam Sociedades de Gestão como os Diretores Argentinos de Cinema (DAC), ARGENTORES, a Sociedade Argentina de Autores e Compositores de Música (SADAIC) e a Sociedade Argentina de Gestão de Artistas Interpretes (SAGAI), bem como o Instituto Nacional de Cinema e Artes Audiovisuais (INCAA) foram denunciadas por artistas e personalidades de renome e popularidade na recente cerimônia dos Prêmios Goya.


Um dos primeiros a se manifestar foi o ator argentino Matías Recalt, que ganhou como Melhor Novo Ator por seu papel no filme A Sociedade da Neve. "Quero enviar um grande abraço para o meu país, que está passando por um momento muito delicado, e pedir por favor para não manchar a cultura", disse o ator em seu discurso de agradecimento.


Matías Recalt, ator argentino vencedor do prêmio de Melhor Ator Revelação por A Sociedade da Neve

Antes de apresentar o último Goya de Melhor Filme, o renomado diretor espanhol Pedro Almodóvar defendeu o cinema espanhol e aludiu - sem nomeá-lo - ao Vice-Presidente de Castilla y León, Juan García-Gallardo (Vox), aliados políticos de Javier Milei na Espanha, que se referiu aos cineastas como "senhores" que vivem de subsídios.


"Algumas horas atrás, um político que está nesta sala falou de nós como os senhores que recebem subsídios", começou Almodóvar. E ele continuou: "É óbvio que o dinheiro recebido pelos cineastas como adiantamento é devolvido muitas vezes por meio de impostos, seguridade social e criação de milhares de empregos", concluiu entre aplausos da plateia.


Ao final da cerimônia, Fernando Méndez Leite, diretor, crítico de cinema e atual Presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas da Espanha, fez seu discurso habitual.


Primeiramente, ele instou o público a voltar aos cinemas após a pandemia, enfatizou a importância do trabalho de cada pessoa envolvida em uma equipe de filmagem, desde roteiristas até a pós-produção, lembrou dos conflitos de guerra atuais e expressou preocupação com a situação atual do cinema argentino.


"Os cineastas espanhóis estão preocupados nos dias de hoje com a situação de nossos colegas argentinos, com quem mantemos laços antigos e estreitos, e cuja indústria cinematográfica está atualmente seriamente ameaçada pelos projetos legislativos incertos de seu governo atual", afirmou Méndez Leite.



Todos os vencedores

-Melhor Filme: A Sociedade da Neve

-Melhor Direção: Juan Antonio Bayona, por A Sociedade da Neve

-Melhor Ator Principal: David Verdaguer, por Saben Aquell

-Melhor Atriz Principal: Malena Alterio, por Que Ninguém Durma

-Melhor Filme Europeu: o filme francês Anatomia de uma Queda

-Melhor Filme Ibero-americano: A Memória Infinita, de Maite Alberdi (Chile)

-Melhor Ator Coadjuvante: Jose Coronado, por Fechar os Olhos

-Melhor Atriz Coadjuvante: Ane Gabarain, por 20.000 Espécies de Abelhas

-Melhor Filme de Animação: Robot Dreams, de Pablo Berger

-Melhor Documentário: Enquanto For Você, o Aqui e Agora de Carme Elias, de Claudia into

-Melhor Roteiro Adaptado: Pablo Berger, por Robot Dreams

-Melhor Roteiro Original: Estibaliz Urresola, por 20.000 Espécies de Abelhas

-Melhor Direção de Arte: Alain Bainée, por A Sociedade da Neve

-Melhor Edição: Andrés Gil e Jaume Martí, por A Sociedade da Neve

-Melhor Direção de Fotografia: Pedro Luque, por A Sociedade da Neve

-Melhor Curta de Animação: To Bird or Not to Bird, de Martín Romero

-Melhor Curta Documental: Ava, de Mabel Lozano

-Melhor Curta de Ficção: Aunque es de noche, de Guillermo García López

-Melhor Trilha Sonora Original: Michael Giacchino, por A Sociedade da Neve

-Melhor Canção Original: "Eu Só Quero Amor", de Rigoberta Bandini, por Estou Te Amando Loucamente

-Melhor Direção Estreante: Estibaliz Urresola, por 20.000 Espécies de Abelhas

-Melhor Ator Revelação: Matías Recalt, por A Sociedade da Neve

-Melhor Atriz Revelação: Janet Novás, por O Corno

-Melhor Direção de Produção: Margarita Huguet, por A Sociedade da Neve

-Melhores Efeitos Especiais: Pau Costa, Félix Bergés e Laura Pedro, por A Sociedade da Neve

-Melhor Som: Jorge Adrados, Oriol Tarragó e Marc Orts, por A Sociedade da Neve

-Melhor Maquiagem e Cabelo: Ana e Belén López-Puigcerver e Montse Ribé, por A Sociedade da Neve

-Melhor Design de Figurino: Julio Suárez, por A Sociedade da Neve

-Goya de Honra: Juan Mariné

-Goya Internacional: Sigourney Weaver


The winners of each category (Photo: AFP)

Commenti


bottom of page