Mais de 100 artistas britânicos propõem a criação de um fundo de apoio às indústrias criativas



Por meio de uma carta aberta, uma coalizão de Criadores e Intérpretes de várias disciplinas do Reino Unido apoiou a criação do Smart Fund para uma "renovação econômica e cultural" do país. Através de uma taxa de 1% a 3% sobre a venda de aparelhos eletrônicos, como celulares e laptops, este fundo poderia arrecadar até 300 milhões de libras esterlinas anuais, que iriam para as indústrias criativas, “proporcionando às empresas de tecnologia uma forma direta de investimento na cultura”.


Esta taxa, aplicada a dispositivos que permitem aos usuários baixar e armazenar conteúdo criativo, implicaria em uma "renovação econômica e cultural" e "impulsionaria uma recuperação econômica mais ampla do Reino Unido". Sobre o benefício tácito que a indústria da tecnologia adquire das criações artísticas, a carta manifestou o desejo de um estímulo equivalente, mas na direção oposta: “As artes dão sustentação à casa das máquinas de regeneração, reativação e renovação cultural para todo o país. O Smart Fund é a forma de apoiá-lo”. Este sistema de retroalimentação da indústria é semelhante ao sistema de cópia privada que existe em muitos países europeus.


Yinka Shonibare: Photo by Jill Mead - The Guardian

Yinka Shonibare (Embaixador do Smart Fund e membro da DACS - Sociedade de Direitos Autorais de Designers e Artistas do Reino Unido, uma das organizações que assinaram a proposta) afirmou: “Atualmente, não há um método eficaz para os Criadores serem recompensados ​​quando seus trabalhos são baixados e armazenados pelo público. Esta continua a ser uma das maiores oportunidades inexploradas para Criadores e Intérpretes. O Smart Fund oferece uma maneira de investir em talentos criativos de todas as idades e origens, e em suas comunidades. " De acordo com a DACS, esquemas como o Smart Fund “existem e funcionam com sucesso” em 44 países ao redor do mundo e remuneraram o uso do trabalho de Criadores e Intérpretes com mais de 930 milhões de libras esterlinas apenas no ano de 2018.


Gilane Tawadros -Photo by iniva.org

Gilane Tawadros (Diretor Executivo da DACS) afirmou que “trabalhando em conjunto com a indústria de tecnologia e com inovadores neste setor, queremos apoiar criadores e intérpretes para reconstruir e ativar o patrimônio cultural mundial dominante, o turismo e as indústrias criativas do Reino Unido e contribuir com seu poder de atração e prestígio internacional ”.


Margaret Heffernan - Photo by www.ted.com

Margaret Heffernan (artista visual e presidente da DACS) publicou, no passado dia 4 de julho, um artigo no Financial Times, no qual explica que a Alemanha, a França, a Bélgica e a Itália são as nações em que esse esquema está mais arraigado, e que os demais estados europeus (com exceção de Mônaco) também têm esse mecanismo, assim como outros países do mundo, como Israel, o Japão, Malawi, Marrocos e a Tunísia. Heffernan explica que isso não acontece no Reino Unido: “Esse mecanismo não existe aqui. Pode mudar. Os Smart Funds cobram por colaborações entre criadores e intérpretes, empresas de tecnologia e governos, como uma forma direta de investir na riqueza econômica, social e cultural do Reino Unido”. Por outro lado, ele propôs o investimento dos recursos arrecadados "em artistas de todas as idades e origens, como forma de contribuir para a transformação cultural e econômica britânica", enquanto grande parte do dinheiro arrecadado "seria pago diretamente aos artistas, a título de royalties, através de um órgão de arrecadação existente, como o que presido”.


Por sua vez, Heffernan sugeriu que uma porcentagem do dinheiro arrecadado fosse usada para apoiar projetos culturais de criadores jovens e emergentes. "Tudo isso será gerenciado e determinado em colaboração com governos existentes, empresas de tecnologia e órgãos de arrecadação para distribuir a receita dos direitos autorais", escreveu ele.


O presidente da DACS insiste em que a criação do Smart Fund será "uma oportunidade para as empresas de tecnologia trabalharem, junto com os governos e as indústrias criativas, na renovação da vida cultural do Reino Unido", por meio de "um caminho transparente, colaborativo e sustentável, de forma a inspirar e valorizar a atividade expressiva dos artistas que tornam o Reino Unido mundialmente famoso”.