top of page

Autores audiovisuais da Índia: a luta pelo reconhecimento dos seus direitos



A exposição do roteirista Vinod Ranganathan (SRAI), no Congresso Internacional da AVACI 2023, realizado na cidade brasileira do Rio de Janeiro, deu um panorama completo da situação que atravessa a indústria audiovisual na Índia e destacou a luta travada pelos autores audiovisuais na busca do reconhecimento dos seus direitos.


Um país tão rico em diversidade linguística e cultural como a Índia alberga uma próspera indústria audiovisual que merece ser plenamente explorada. Com 20 estados federais e 28 línguas oficiais, o país possui uma ampla gama de produções em 22 idiomas diferentes.


“A indústria cinematográfica da Índia produz mais de 1.300 filmes por ano, dos quais apenas cerca de 500 são em hindi, a língua oficial do país. Até um filme em telugo, uma língua regional, conseguiu receber o Oscar de Melhor Canção em 2023. Trata-se de RRR, um filme de amplo reconhecimento internacional visto pelos mais diversos públicos do mundo. Contudo, a complexidade linguística e cultural não é o único desafio enfrentado pelos profissionais do setor”, explicou Vinod Ranganathan.


O roteirista sustentou que “em Mumbai um determinado fluxo de filmes é produzido em hindi, enquanto no sul do país as produções são feitas principalmente em quatro línguas diferentes, totalizando 300 ou 400 filmes por ano. Além disso, há produções em bengali, no leste do país, próximo à fronteira com a China. Ainda que Nova Delhi seja a capital da Índia, nenhum filme é filmado lá. No meio desta rica diversidade, os direitos dos autores audiovisuais têm sido objeto de uma luta constante”.


RRR, de S. S. Rajamouli, filme indiano vencedor de um prêmio Oscar

Revisão histórica

Em 1957, na Índia, foi aprovada uma lei no Congresso concedendo aos autores, compositores e escritores os direitos sobre suas obras. Embora esta lei proporcionasse proteção, muitos autores desconheciam a sua existência, e apenas alguns músicos famosos conseguiram negociar os seus direitos individualmente com os produtores.


“A grande maioria, aproximadamente 99%, não recebeu royalties. Os contratos limitavam-se a um único pagamento ou comissão, uma vez que não se conhecia a possibilidade de exigir outros tipos de direitos. Uma situação que durou até 2008 ou 2009”, disse Vinod Ranganathan.


Na década de 1960, a Sociedade de Direitos Autorais dos Músicos (IPRS, por suas siglas em inglês) foi criada sob a lei de direitos autorais existente. De acordo com esta lei, 50% dos royalties gerados pela exploração de uma canção deviam ir para a editora, 25% para o autor e 25% para o compositor.


No entanto, como explicou o roteirista, “os contratos foram assinados principalmente por necessidade e, com o tempo, as editoras discográficas ganharam um domínio excessivo sobre as sociedades que representavam os letristas. Os autores finalmente decidiram enfrentar esta situação desafiadora, mas a tarefa não seria fácil”.

Vinod Ranganathan, Roteirista e vice-presidente da SRAI

Em 2010, foi regulamentado que os autores audiovisuais tinham direito ao recebimento de royalties pela exploração de sua obra. Os produtores e outras organizações confrontaram realizadores reconhecidos para apoiar esta causa no Parlamento, o que levou à exclusão dos autores audiovisuais do meio.


“À medida que o projeto de lei avançava, duas emendas cruciais foram introduzidas. A primeira estabelecia que, se um autor não cedesse seus direitos ao produtor ou a discográfica, isso seria considerado ilegal. A segunda emenda estabelecia que os royalties eram inalienáveis para os autores, exceto para duas partes: a sociedade à qual o autor pertencia e seus herdeiros legais”, disse Vinod Ranganathan.


Em 2013, representantes da comunidade de autores audiovisuais da Índia visitaram a Europa e reuniram-se com várias sociedades de gestão, como a DAMA , em busca de inspiração e conhecimentos. Após o seu regresso, começaram a estabelecer as suas próprias organizações para lutar pelos seus direitos na Índia, mas encontraram muitos obstáculos e dificuldades, uma vez que a assistência jurídica era cara e escassa.


O autor indiano contou que “a busca por advogados comprometidos tornou-se uma tarefa árdua. Além disso, surgiu um problema fundamental em relação à lei alterada: o reconhecimento dos direitos literários dos roteiristas, uma vez que os roteiros foram classificados como “dramáticos” em vez de “literários”. Após debates e discussões, ficou estabelecido que a parte histórica do roteiro era considerada literária”.



O poder das corporaçoes

Desde então, passaram sete anos e o processo de aprovação desta lei - como sublinhou Vinod Ranganathan - “continua a ser adiado intencionalmente com desculpas mesquinhas, como uma vírgula ou um sinal de pontuação”. Algumas mudanças terminológicas foram feitas, informaram-nos que seria aprovada e que a Screenwriters Rights Association of India (SRAI) seria uma sociedade de gestão coletiva. É por isso que este Congresso seria realizado na Índia”.


A lei da Índia estabelece que, no prazo de dois meses após a aprovação, a sociedade deve ter a distribuição e os valores estabelecidos. “É difícil para nós, porque não temos ajuda financeira. Embora tenhamos uma lei que nos deu direitos que ninguém mais no mundo tem, a corporação é muito poderosa e o governo está com as corporações”, afirmou o autor.


O governo anterior apoiou os autores na sua luta, mas a situação mudou com as novas autoridades. Atualmente, a indústria audiovisual na Índia tem sido dominada por grandes corporações.


Quanto aos autores na Índia, estima-se que existem cerca de 25 mil roteiristas ativos com uma lei de direitos autorais que estabelece que os direitos duram 60 anos após a morte do autor, o que significa que há milhares de herdeiros que também poderiam receber royalties.


No total, estima-se que cerca de 40 mil pessoas poderiam se beneficiar destes direitos. Dado que a Índia ultrapassou a China como o país mais populoso do mundo, este número representa uma grande parte da população, especialmente num contexto de elevado desemprego juvenil.


A televisão também desempenha um papel importante na indústria audiovisual da Índia. Com oito canais em hindi e cerca de dez programas diários em cada um, é necessário um número significativo de roteiristas para atender à demanda.


As estatísticas existentes na Índia calculam que cada canal emprega aproximadamente 40-50 roteiristas, o que perfaz um total de cerca de 450 roteiristas trabalhando diariamente na televisão em hindi. Além disso, há outros 500 roteiristas aguardando a oportunidade de ingressar no setor.


Brahmāstra: part one – Shiva, successful indian film directed by Ayan Mukerji


“No entanto, muitos escritores enfrentam um dilema: se se recusarem a assinar contratos injustos, poderão facilmente ser substituídos por outros que estejam dispostos a aceitá-los. Educar os 25 mil roteiristas sobre os seus direitos e a importância de não assinar contratos injustos representa um desafio significativo. Ainda que sejam realizadas oficinas em toda a Índia para aumentar a consciencia sobre esta questão, o medo de perder o emprego e enfrentar as empresas continua a ser um obstáculo”, explicou Vinod Ranganathan.


Outro problema que os autores enfrentam é a imposição de acordos de confidencialidade (ND) por plataformas como Netflix e Amazon.


“Os autores foram avisados para não assinarem estes acordos, pois permitem o roubo de ideias e não têm respaldo legal”, disse Ranganathan, “mas alguns autores, por medo das consequências, continuam a assinar estes acordos. Os produtores também usaram táticas legais para pressionar os autores, abrindo processos judiciais em áreas remotas onde é caro e complicado para os autores comparecerem em tribunal. Apesar destes desafios, os sindicatos dos autores estão cada vez mais unidos no seu apoio e sensibilização, proporcionando segurança e apoio aos autores na luta pelos seus direitos.”

Esta visão geral fornecida por Vinod Ranganathan é a prova de que os autores audiovisuais da Índia enfrentam desafios significativos na proteção dos seus direitos. Embora tenham uma lei que lhes confere direitos únicos no mundo, a falta de conhecimento, a escassez de assistência jurídica, a influência de corporações apoiadas pelo governo e o medo de perder o emprego têm dificultado a sua luta.

コメント


bottom of page